sábado, 21 de agosto de 2010

Sobre a falta de tempo que nos aproximou da gente.

Porque as distâncias eram grandes, escreviam-se cartas. Porque era preciso esperar as cartas, havia tempo. Porque havia tempo, falava-se de amor. Porque falava-se de amor, escreviam-se mais cartas.

E porque era preciso fazer as cartas chegarem mais rápido, construíam-se estradas. Estradas que nos levaram mais rápido ao futuro: encurtaram-se as distâncias.

E porque encurtaram-se as distâncias, aumentou o trabalho. E porque o trabalho aumentou, escasseou o tempo. E pela escassez de tempo, cessaram as cartas. E pela falta das cartas, recesso para o amor.

Porque o amor entrou em recesso, o avanço. E porque veio o avanço, criou-se a tal rede. E porque a rede se criou, encurtaram-se as distâncias. Até mesmo entre os amores. Até mesmo entre os tempos.

E no mundo contido dentro da rede, nasceram de novo as cartas. Agora instantâneas. Que, como aviõezinhos de papel, eram lançadas incessantemente de uma ponta a outra do mapa. Palavras, dores, saudades e sons percorriam num susto longas distâncias, para chegar aos ouvidos da outra ponta do mapa.

O mundo virou teia de cartas. Um emaranhado de dores e amores e gentes se vendo e ouvindo e dizendo em todas as línguas. Um mundo abraçando o mundo carente de cartas, caminhos, estradas e de andar a pé pra relembrar.

Virtuais, as cartas tornaram amores reais.

E a cada nova carta, um mundo de amor. A teia. E a cada novo mundo, mais cartas. E já não era possível desfazer os nós. E as pessoas deram-se as mãos, como antes não acontecia. E eram semelhantes as mãos que se davam, sem que a distância fosse empecilho. E era de mãos também a grande teia.

Mas, como o virtual brilhasse, o real perdeu sua força. Não mais se olharam as pessoas. O amor em recesso mais uma vez.

E como o recesso faz buracos, mais gente da ponta do mapa procurou gente da outra ponta. E do meio. E de um pedacinho ao sul ou ao norte. E as latitudes as mais diversas passaram a se olhar, como não mais os olhos se olhavam. E como as palavras de longe chegavam ao pé do ouvido, falou-se de perto. E porque de longe acendiam-se almas, encurtaram-se as distâncias.

Mas, um dia, de tanto viajarem as cartas, encurtando distâncias e mais distâncias, alguém olhou para o lado e descobriu a verdade.

O longe estava perto. O perto estava longe.

E assim a escassez de tempo nos aproximou da gente. A escassez do tempo nos disse verdades com sua voz rouca. E nos perguntamos se tudo isso fazia sentido. E choramos. E escrevemos novas cartas. E nos demos as mãos de verdade. E nos olhamos no olho. E redescobrimos o tempo.

E amamos. Não mais a escassez. Não mais o virtual. Não mais o longe.

E permanecem as cartas que vão e voltam. Mas o amor não entra mais em recesso.

27 comentários:

  1. Um dos melhores textos que li nos últimos tempos. Lindo. De verdade.
    Beijos.

    =)

    ResponderEliminar
  2. Gente, diz aqui. você mesma que escreveu? KKK MUITO perfeito pf. Deu vontade até de ler de novo. Parabéns viu?!

    ResponderEliminar
  3. Obrigada por disponibilizar tão belas palavras. Um texto que nos leva a um cíclico jogo de altos e baixos. Cheio de sentimento e razão ao mesmo tempo.

    Muitos caminhos explicam a busca pelo virtual..as novas formas de relacionamento: o que você demonstrou é encantadoramente atrativo.

    Parabéns por externar tanto amor!

    ResponderEliminar
  4. Parabéns pelo texto. E de fato, acho nobre o que descreve com tanta facilidade e poesia, pois tentando buscar algo, sem percebermos que a busca desse algo está tão longe, no espaço cibernético, esquecemos do real... então o perto é que realmente parece longe, tão longe.
    Belissímo, querida!
    Fui tocada por tal verdade, pois também por isso esqueci de encarar o real; é tão mais bonito sonhar do que ter de abrir os olhos para a própria vida... então se cria um sonho, com um outro sonho, que também deseja sonhar em amar, e ambos sonham que amam... mas ambos esquecem de acordar.

    Abraços!

    ResponderEliminar
  5. O mundo muda, inventamos formas diversas de nos comunicar e de melhorar tudo isso, mas nunca perderemos o desejo de gritar o amor, expulsar de nós o que guardamos para as cartas secretas ou indiscretas que insistimos em escrever e reescrever...

    Lindo seu texto!

    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Que não nos afastemos mais. Que o mundo não seja de teias. Nunca mais.
    Obrigada pelas palavras.

    inté

    e pronto.

    ResponderEliminar
  7. Agora não somos apenas escritores e leitores, somos também carteiros.

    Lindo texto.

    Beijão

    ResponderEliminar
  8. Chega a tocar com uma facilidade,
    detalhes preciosos para apreciar.

    lindo texto.

    ResponderEliminar
  9. um belíssimo texto,um verdadeiro toque no que é real e no que temos a capacidade de tornar real.

    perfeitas palavras

    ResponderEliminar
  10. ...
    (suspiros)
    ...
    (e continua)
    Obrigada por compartilhar...

    ResponderEliminar
  11. Nas histórias de amor, a gente sempre se encontra em algumas minúcias.

    ResponderEliminar
  12. adorei o texto, do amor, do real, do imaginario do virtual, tudo!
    beijo!

    ResponderEliminar
  13. Tudo o que eu precisava ler hoje. Incrível como você sempre adivinha!

    ResponderEliminar
  14. Só estou passando por aqui pra dizer que tem "selinho" lá no meu BLOG pra vc! Vc merece! Bjs

    ResponderEliminar
  15. Gostei muito do texto e do seu blog, parabéns!

    ResponderEliminar
  16. Muito bom, esse texto!!! O mais completo que já li, sobre o tempo e as redes.. e o amor.. Parabéns

    ResponderEliminar
  17. Adorei, sua escrita me lembra os textos da Clarice!

    ResponderEliminar
  18. LINDO DEMAIS. Tb quero mostrar algo bonito que eu fiz =)

    vitoria cuervo
    vicuervo@gmail.com
    twitter/vicuervo

    Gostaria de compartilhar meu ultimo desfile que foi dia 24 de setembro no Donna Fashion Iguatemi de Porto Alegre,semana de moda gaucha, no qual usei os sapatos do mestre Jailson Marcos, por quem eu tenho imensa admiracao.

    Modelo convidada: Juliana Carvalho dos santos ( comediasdavidaaleijada.blogspot.com/)

    http://www.youtube.com/watch?v=JldTT2zUUho&feature=youtube_gdata_player

    http://modalounge.blogspot.com/2010/09/vitoria-cuervo-emociona-em-desfile-no.html

    http://wp.clicrbs.com.br/n9ve/2010/09/24/a-colecao-de-vitoria-cuervo/?topo=52,1,1,,170,e170

    ResponderEliminar
  19. Ola..
    gostei do teu blog..
    da uma olhada no meu e se quiser segue..
    obg bj

    ResponderEliminar
  20. Hoje usamos email e as distâncias ficaram maiores. Te achei na Marla. Dá uma olhada em :
    http://papopoetico.blogspot.com/
    Espero que te divirta
    Tudo de bom

    ResponderEliminar
  21. 'A gente não pode permitir que as cartas se tornem obsoletas, mesmo que talvez já tenham se tornado.'

    - Caio F. A.

    Por isso escrevo...

    ResponderEliminar
  22. ola! ja li este texto varias vezes e sempre me surpreendo com a beleza de sentimentos com que ele foi escrito. meus parabéns por este belo texto!!!

    abraços

    ResponderEliminar